Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a mãe dos PP's

Que música te faz ficar no carro? Responde o Heterodoméstico

Olá pessoas lindas! O meu convidado de hoje é o Heterodoméstico! É aquele tipo que todo o homem teme e que toda a mulher queria ter a limpar a casa em vez da dona Sesaltina que trabalha lá há anos 

 

 

 

 

 

Vamos lá então?

Antes de começar com a algaraviada do costume, quero apresentar o mais louvado agradecimento por estar neste espaço repleto de seriedade e princípios fundamentais para levar a tal de vida com boa disposição e atividade intestinal regulada!

 (ehehheheehheehheeh )

Habitualmente, a música que me faz ficar no carro é o ringtone do meu telemóvel que me impede de tirar o cinto de segurança sem me aperceber se já puxei o travão de mão ou se o carro ainda está em movimento…

Ocasionalmente, vem um arrumador (bem arrumado) com a música bem ensaiada, a pedir-me uma moeda para poder comer. Desconfio sempre, pois tenho uma leve impressão que a maior parte das drogas duras não são de ingerir. Ao contrário dos space cakes!

Na passada semana, enquanto tentava baixar o volume do rádio mudei acidentalmente de emissão e fui brindado com um tema que me fez ficar no carro, embora não inteiramente pois o meu braço esquerdo ganhou vida própria, dançando à chuva…

 

Tom Jones – It´s not unusual

Ainda bem que só me apercebi que tinha um grupo de adolescentes, a rir-se só da minha cara, no final da música. Se vos acontece isto com frequência, significa que nunca sintonizaram sempre a mesma emissão. A estação somos nós que a escolhemos… 

 

E agora enquanto curtem o som... o    continua na sua tarefa 

 

Gostaram?

o sexo, a mãe e um corneto

Ponto 1: A mãe é mulher. A mãe gosta de fazer o coiso e tal e depois há aquelas fases do mês, em que se a mãe não tem sexo corre o risco de sair á rua e tirar os olhos a alguém. Dizem que é das hormonas. Tanto se me dá. Para fazer o bom do amor qualquer desculpa serve. 

 

 

Ponto2: Sabem aquela amiga ou amigo que tem a ideia parva de vos pedir o cuzinho de chocolate do corneto de nata que estão a comer? Sabem como vos dói dar esse pedacinho? E a sensação de frustração que vos assola a alma?

 

 

Pronto não tenho comido cornetos de nata nem de outra coisa qualquer e até fiz o amor...quase todo... mas o P menor acordou e o cuzinho do gelado pufffffffffffffff......

 

 

 

Tive um sonho

de merda forrado a cagalhões.

Sonhei que estava num sítio onde havia muita gente. Estávamos todos á espera de um transporte qualquer que nos levaria de regresso a casa. Eu estava sózinha. No sonho não estavam os filhos nem o marido e ainda bem.

No meio da multidão apercebo-me de movimentos estranhos e os meus olhos alcançam dois sujeitos com comportamentos suspeitos. Vejo-os pendurar um qualquer objecto no canto superior do edíficio onde nos encontrávamos. Apercebo-me que vai acontecer um atentado terrorista dentro de alguns segundos.

Só eu e meia dúzia de pessoas é que nos apercebemos e fugimos a tempo do local. Tentei gritar para que mais pessoas pudessem fugir, mas o medo e o pavor que de mim se apoderaram não mo permitiram fazer.

Ao longe ouvi a explosão e alguns minutos depois estava instalado o caos enquanto podia ouvir as sirenes dos bombeiros e o choro desesperado das pessoas. Vi sangue, muito sange e mortos ali assim, á minha frente.

No meio de tudo aquilo, sei que chovia e eu nem notava. Eu só pensava como ia viver sabendo que se tivesse gritado mais pessoas se salvavam. Desejei morrer, desejei muito mesmo morrer.

Acordei enquanto agarrava o lençol com toda a força e um vómito me chegava á boca.

Levantei me depressa e fui espreitar os meus filhos e certificar me que a meu lado, o marido dormia tranquilo.

Acordei cansada, enfiei-me no banho com tudo aquilo na minha mente e até hoje trago essa merda comigo.

P*ta que pariu, que merda foi esta?

Pág. 3/3